Conheça 4 lagoas incríveis em Huaraz

Huaraz não é um destino que se vê nos roteiros mais tradicionais de quem vai ao Peru, mas é bastante cobiçada entre os trilheiros e aventureiros de plantão. A cidade fica localizada 3.090m acima do nível do mar, entre as Cordilheiras Brancas e Negra. Huaraz em si, não é tão grande, não tem tanto o que fazer em sua parte central, portanto, acaba sendo mais base para hospedagem. Mas é de lá que podem ser realizados diversos circuitos de trekkings e subidas nas montanhas da Cordilheira Branca, Cordilheira Huayhuash e Cordilheira Raura. Trekkings estes que podem durar de 4 a 11 dias!!

Mas, eu sou péssimas em trilhas, ao contrário do Victor, que gosta e tem um condicionamento físico muito melhor que o meu, então eu sabia que não seria nada fácil, mas mesmo assim topei e foi uma experiência que com certeza vamos levar para sempre na memória!

[Como chegamos]

Como estávamos em Arequipa, decidimos pegar um avião, através da Peruvian, empresa super tradicional no Peru, com destino final: Lima. Portanto, pegamos o primeiro horário e nosso voo saiu às 7h55 e chegamos em Lima às 9h20. De lá pegamos um táxi direto para Rodoviária da Moviltours  onde nosso ônibus para Huaraz sairia às 13h00.

A viagem tem duração de 8 horas na estrada. Escolhemos ir pela Moviltours e foi tudo ótimo, cadeira bastante confortável, serviço bom e eles oferecem almoço também, além disso escolhemos a opção Executivo VIP que é um pouco mais cara, porém como seria uma viagem longa achamos que valia a pena devido o maior conforto. Outra possibilidade bem famosa por lá é a Cruz del Sur, mas escolhemos a primeira pelo horário mesmo, na segunda, como eram mais cedo não chegaríamos a tempo por causa do voo.

[Hospedagem e 2 Restaurantes]

Ficamos hospedados no hotel EL Jacal, um local simples, mas muito fofo, aconchegante e fomos muito bem atendidos por lá, além de ser bem localizado – fica a poucos metros da Plaza Central de Huaraz. A única coisa ruim, foi que estava bem frio e não tinha aquecedor, como na maioria dos hotéis que ficamos pelo Peru, portanto, a noite era bem cruel, mas deu para suportar.

20160621_131904723_iOS
Vista da cidade pelo Terraço do Hotel EL JACAL – Cordilheira Branca

Com a boa localização, à noite fomos em dois restaurantes próximos que estavam com ótima indicação no TripAdvisor: Pizza Bruno e Creperia Patrick. Ambos aprovados pela gente também, pois além da comida deliciosa, os lugares tem um clima gostoso e rústico, não são tumultuados, excelente serviço, sendo ótimas opções para um jantar na cidade.

[Conhecendo 4 lagoas incríveis] 

Contratamos todo nosso roteiro antes de sair do Brasil com a empresa Inkaland TreksNão foi barato e tivemos que pagar em dólar 35% antecipado e o restante no dia da chegada, mas foi um ótimo investimento. Bom, primeiramente, iríamos fazer trilhas e como explicamos no começo do post, meu preparo físico não é lá essas coisas, ainda mais se tratando da Laguna 69 que é a mais difícil, são em média 5 horas de trilha com subidas ingrimes na altitude de quase 4 mil metros acima do mar, pensando nisso e em todo trajeto, queríamos um guia particular, que acompanhasse meu ritmo, sem que eu tivesse que me matar – ainda mais – para chegar no lugar e claro, desse todo suporte necessário, pois não fazíamos ideia de como seria esse trajeto.

E a Inkaland Treks foi essencial em tudo. A Edita, dona da agência, é um amor de pessoa. Ela e seu marido foram nos buscar na Rodoviária de cortesia, pois isso não estava incluso no pacote, mas ainda sim estavam lá para nos receber, nos explicar como seria o dia seguinte e claro, se apresentar – e nos levaram de volta também. Ela preparava um super almoço para gente nos três dias: com dois tipos de sanduíche, chocolates, frutas, água, suco e antes de preparar, sempre perguntava o que gostávamos de comer e qual era a nossa preferência, além disso, no final de cada passeio, ligava pro guia e pedia para falar com a gente, saber se tínhamos gostado, se precisávamos de algo… um amor, SÉRIO! Então quem estiver pensando em fazer algum destes roteiros ou algum outro em Huaraz, indicamos muito eles. Podem entrar em contato através do e-mail info@inkalandtreks.com, que eles respondem super rápido, mas tem que falar em inglês ou espanhol.

DIA 1: WILCACOCHA LAKE

20160621_143507221_iOS

Começamos pelo mais fácil. Eles nos buscaram no hotel por volta de 8h30 e a distância do hotel para lá é mediana, acho que o que demora mais é a subida até a lagoa. A maior parte da trilha se dá de carro, com uma subida de pelo menos 2 horas, em uma estrada bem ruim, diga-se de passagem, e acho que não é todo carro que consegue subir lá não, talvez somente aquele 4×4. Ou você também pode subir a pé, mas né, não precisamos disso, se foram duas horas de carro, imagina quantos dias eu levaria a pé! hahaha.

Mas quando você chega lá e se depara com aquela cena, é quase que inacreditável. Que lugar lindo! Primeiro é uma paz que você nem consegue descrever, é apenas você e a natureza. Lá tem poucos habitantes, que nem sequer avistamos, mas que trabalham na parte da agricultura e por isso encontramos alguns animais por lá, também utilizado por eles, como cachorros, vacas, cavalos. Deve ser incrível ter tudo aquilo como seu jardim.

É bem frio lá em cima, portanto, vá com um fleece, uma bota mais apropriada para trilha também, pois depois de tirar várias fotos, a guia nos levou para dar uma volta pela região e demos uma boa caminhadinha, fomos até uma outra lagoa menor e tivemos um enorme mirante para apreciar toda aquela paisagem linda!

Na volta paramos para almoçar e tivemos a companhia de um cachorrinho que queria roubar nossa comida, haha. O passeio é super tranquilo, ótimo para aclimatizar, especialmente para quem for direto para lá, sem estar acostumado com a altitude. Às 14h00 estávamos de volta e resolvemos descansar para o próximo dia que seria bem mais puxado!

DIA 2: LAGUNA 69 & LLANGANUCO LAKE

IMG_4185

Este seria nosso último passeio, mas ainda bem que o Victor teve a brilhante ideia de trocar para colocar no segundo dia. Vamos explicar o porquê: A Laguna 69 era a pior trilha em termos de esforço físico, duração, subidas e tudo mais, seria de fato meu maior desafio e no último dia terminaríamos de fazê-la e iríamos direto para a Rodoviária pegar o ônibus de volta à Lima, que duraria 8 horas, ou seja, além de ser mega corrido, seria super cansativo e como já estávamos a bastante tempo no Peru e já tínhamos nos acostumado com a altitude, optamos pela troca e foi ótimo.

Acordamos às 04h00 para esta trilha, pois a distância até o local de partida é muito longa, em torno de 3 horas de carro. Chegamos por volta de umas 09h00 na primeira parada já dentro do Parque para tomar café da manhã. De lá continuamos de carro, onde encontramos a Lagoa Llanguanuco, que é absurdamente linda – Existe um passeio específico para ela, em que você pode vê-la de cima, mas neste caso, apenas passamos e paramos para tirar fotos, sem de fato aproveitá-la.

Seguimos caminho até chegar na entrada onde começaria a trilha. Ela tem uma duração média de 5 horas, mas fizemos em 7 horas e meia, por minha culpa, haha. É bem difícil, ainda mais por conta da altitude, que por diversas vezes me deixou sem ar. A primeira parte andamos em torno de 1 hora e é plana, depois começam os zig-zags, como nosso guia chamava, e são subidas bem ingrimes e grandes, para depois encontrarmos um outra parte plana e por fim, um zig-zag um pouco menor, porém bem mais ingrime que o primeiro, ou seja, é para terminar de matar de uma vez.

Pensar em desistir me ocorreu diversas vezes, mas eu sabia que não o faria e sabia que teria uma recompensa maravilhosa me aguardando que faria valer o esforço.

Durante a trilha é super comum encontrarmos com vacas e burros pelo caminho, inclusive nos deparamos com uma vaca lá no topo da trilha, que nosso Guia conseguiu tirá-la e abrir caminho. Ta aí, foi uma das outras coisas importantes de termos um guia particular que sabia lidar com essas situações. Também achamos mais uma lagoa pelo caminho, que não tem nome, mas é bonitinha e vale umas fotos! =)

As águas da Laguna 69 são simplesmente degelo da Cordilheira Branca, ela é totalmente cristalina e muito gelada. O Victor, louco, entrou na água para dar um mergulho e por sorte, não saiu congelado! 😀 Agora deixo vocês com algumas fotos dessa lagoa tão famosa e procurada por trilheiros:

É linda, sim ou sim? 😀 ❤

DIA 3: PARÓN LAKE

DCIM103GOPRO

Nosso último dia foi reservado à Lagoa Parón, que tinha um roteiro um pouco maior que o que fizemos. Englobava acordar cedinho e fazer um picnic em um parque, mas como eu estava morta da trilha anterior e tínhamos chegado bem tarde no hotel, pedimos para acordar um pouco depois, tomar café pelo hotel mesmo e saímos umas 8h30 direto para a lagoa, em uma duração aproximada de 2 horas até lá.

Foi bem tranquilo chegar na Parón, trata-se de uma caminhada ao redor da lagoa, que por sua vez, também é linda, com águas azul tiffany e bem maior que a Laguna 69. Ficamos em torno de umas 2 horas, por lá,que foi tempo suficiente para conhecer o local, almoçar e tirar muitas fotos! Na volta, paramos em alguns pontos pelo caminho: Yugay, cidade que foi totalmente destruída por uma avalanche e mais duas outras cidades, que não lembramos o nome por nada, mas que são próximas a Huaraz, onde a primeira descemos para tirar uma foto na Plaza e segunda, para tomar um delicioso sorvete tradicional de lá.

WhatsApp Image 2016-08-06 at 09.50.50

Quem quiser saber mais sobre preços, confira nosso roteiro (link abaixo), detalhei todos os nosso gastos pelo país. E as dicas para todas as trilhas são: levar sempre um agasalho, como estaremos em altitude alta, é bastante frio, ir com roupas confortáveis, levar mochila, alimentos para beliscar, protetor solar, óculos de sol, repelente, lenços umedecidos e coma sempre coisas leves para não correr risco de passar mal. O resto, é deixar levar e chegar nesses destinos incríveis. 

Nós amamos esses lugares! E vocês, gostaram?

Leia também:
Roteiro de viagem: 16 dias no Peru
12 primeiras impressões sobre o Peru
Cânion Colca: um passeio que Valle

Victor & Vanessa. 

Anúncios

20 comentários em “Conheça 4 lagoas incríveis em Huaraz

  1. Nossa! Eu queria muito ter ido quando estava no Peru, mas a grana apertada e o deslocamento não deixaram. Com certeza, quando for ao Peru de novo, Huaraz estará no meu próximo roteiro. 🙂

    Curtir

    1. Oi Késsia,

      Realmente é um pouco puxado mesmo, ainda mais se for guia particular como fizemos! Mas com certeza vale a pena juntar um dinheiro e investir nesses lugares. Em uma próxima viagem ao Peru você pode se dedicar somente á Huaraz, com certeza sairá bem em conta 😀

      Obrigada pela visita!! Beijinhos

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s