Sydney: Como foi vivenciar um dos Reveillóns mais bonitos do mundo

Tá certo que já tem 15 dias que 2017 ficou pra trás e já estamos na busca de 2018 incrível, porém, não tinha como o primeiro post do ano ser diferente de contar pra vocês como foi nossa experiência no Reveillón de Sydney e claro, já deixar a dica pra quem quiser passar o próximo ano novo por aqui. 😀

Acho que para começo de conversa é muito louco pensar que vivemos no futuro, que chegamos em 2018 treze horas antes do Brasil, mas o mais louco ainda é pensar que tivemos a oportunidade de vivenciar um dos Reivellóns mais bonitos do mundo e isso é muito verdade.

Há duas formas interessantes de você ter essa experiência por aqui: pagando, seja por uma festa ou por um local público que tem melhor acesso aos fogos ou então indo nos espaços gratuitos. A melhor forma para isso é se planejar com antecedência e ver o que você quer para esse final de ano. Não esqueça as atrações pagas tem seus ingressos esgotados muito rápido, então garanta o seu previamente e os locais gratuitos também lotam muito rápido.

Uma maneira de ajudar você se planejar (e  foi o que nos ajudou também) é através do site Sydney New Year que detalha todos os Vantages Points para você passar o ano novo, que nada mais é o detalhamento do lugar: se será pago, gratuito, se venderá bebidas alcoólicas ou se será proibido e além disso, mostra também a visão que cada um desses pontos oferecem dos fogos de artifício.

Como meros estudantes recém mudados de cidade, nem cogitamos a ideia de se aventurar em alguma festa, além disso minha mãe e irmão tinham que pegar o voo de volta para o Brasil bem cedo. Então, optamos por encarar os lugares gratuitos.

O detalhe é que as pessoas começaram a acampar para pegar lugar na madrugada do dia anterior – É isso mesmo, as pessoas chegam muito cedo e acampam, levam barraca, comida, bebida, cobertores, etc., tudo para garantir uma visão privilegiada dos fogos. Essa opção para gente não existia, haha.

20171231_084316886_iOS20171231_063852602_iOS

Decidimos ir para Circular Quay que seria uma opção mais próxima de algumas possibilidades como The Rocks, East Circular, West Cirular e até mesmo Botanic Garden, além de ser perto da Opera House e Harbour Bridge. A estação de trem de Circular Quay fechava às 17h, então para evitar maiores problemas saímos de casa umas 15h. Chegando lá, East Quay (que era na escadaria da Opera House) já estava fechada, daí ficamos pela West Quay mesmo que tem uma vista melhor da Opera House e uma vista mais de perto da Harbour Bridge.

Às 21h, teve a primeira queima de fogos para as crianças que assistimos pela Opera House. Achei isso muito legal, pois assim famílias com filhos pequenos não precisam ficar até tarde e nem encarar o tumulto na volta. E com isso, deu uma boa esvaziada também.

20171231_100237140_iOS20171231_100322193_iOS20171231_100326226_iOS20171231_100722487_iOS

Quando acabou fomos para mais perto para ter uma visão da Harbour Bridge. Infelizmente, essa visão não foi das melhores. O ideal seria mais de longe, de perto acabou tento muita fumaça. Talvez um lugar que teria sido bacana e de graça, seria o Botanic Garden, pois tem uma visão bem legal das duas atrações. Mas, ainda assim, foi lindo!! As queimas de fogos tem uma duração de 12 minutos, cada.

20171231_102137105_iOS20171231_130326916_iOS20171231_130333169_iOS20171231_130010813_iOS (1)

Olha, enche e como enche. Mas é tudo muito organizado, não vimos confusão, as coisas fluíram perfeitamente. Assim que saímos do trem já demos de cara com as pessoas sinalizando pra onde ir ou prontas para tirar dúvidas. Uma coisa que achei sensacional também, foi a limpeza dos banheiros. Tinha uma equipe fazendo a manutenção direto deles então não havia problema de entrar em um banheiro podre, rs. Além disso, tinha alguns foodtrucks com opções de comida para não deixar ninguém com fome (até brasileira tinha, rsrs). Porém, nesta parte, a venda e consumo de bebidas alcoólicas não foi autorizada.

20171231_064222258_iOS

Informações Adicionais: 

  • Vá com a roupa que você quiser. Na Austrália não tem aquela “obrigação” de ir de branco. As pessoas iam normais, muitas até de preto mesmo. Além disso, é quente durante o dia e faz um friozinho a noite, então leve algum casaco por prevenção 😀
  • Como disse antes, se programe pra chegar cedo. Se possível leve algo para comer, beber e até mesmo se entreter.
  • A volta pra casa foi tranquila, mas também um pouco enrolada. Estava bem cheio, todos saem assim que a queima de fogos termina. A estação de Circular Quay estava fechada, portanto, estavam nos indicando ir até a estação de Town Hall. Chegamos lá, estava lotada e nos mandaram para Central. Só que a caminhada de Circular Quay para esses lugares é longa, ainda mais depois de cansados de um dia todo lá. Sorte nossa que antes de irmos pra Central resolvemos ver se a estação Museum estava aberta (que era bem antes) e foi nossa salvação. Conseguimos pegar o trem de boa por lá e chegamos tranquilos em casa! ;D

sem-tc3adtulo1

Anúncios

Um comentário em “Sydney: Como foi vivenciar um dos Reveillóns mais bonitos do mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s